1

Transplante renal

Função dos rins

Os rins recebem sangue através das artérias renais, ramos da aorta que vem diretamente do coração.
Depois que circulou pelo grande número de vasos existentes nesses órgãos, livre das toxinas, o sangue sai pelas veias renais rumo ao coração e a urina desce pelos ureteres até cair na bexiga


É função dos rins filtrar o sangue para eliminar substâncias nocivas ao organismo, como a amônia, a ureia e o ácido úrico.
 Mas eles não funcionam apenas como simples filtro, que prende em suas malhas os produtos que não interessam ao organismo.
 Eles também agem ativamente, secretando substâncias importantes para nossa saúde.
 Quando as inúmeras unidades que compõem os rins ficam comprometidas,  a pessoa entra num processo chamado de insuficiência renal que pode tornar-se crônico e que, ao atingir determinados limites, exige diálise ou transplante de rim como solução terapêutica.

Sobre o transplante de rim
Um transplante de rim é uma cirurgia realizada por um cirurgião na qual um rim saudável de outra pessoa (doador) é colocado no seu corpo para substituir seus rins que não funcionam mais.
Transplante de rim é uma alternativa bastante eficaz para o tratamento da insuficiência renal crônica.
Quando ele se faz necessário, o paciente recebe um rim novo, uma artéria para nutri-lo, uma veia que serve de escape para o sangue venoso e um ureter para excretar a urina.

Doadores
Doadores vivos – podem ser parentes ou não parentes(Nesse caso, as cirurgias do doador e do receptor são feitas ao mesmo tempo).

Doadores mortos – pessoas que decidem doar seus órgãos ao morrer
Nesse caso a exigência é que tanto o cadáver quanto o doador vivo pertençam ao mesmo grupo sanguíneo (A, B, AB, O) que o receptor.
O fator RH não importa.
Depois, é feito um teste imunológico.
 Encontrar o doador mais compatível é mais um critério de distribuição justa do que um critério científico que vai exercer impacto sobre o transplante. Por isso, hoje se leva muito em conta a compatibilidade A, B, O e uma pequena compatibilidade no sistema HLA para selecionar o melhor rim para determinado receptor.

O transplante é apenas um tratamento para doença renal, não a cura.
 Nem todos podem receber um rim transplantado.
 Médicos, assistentes sociais e um coordenador de transplantes avaliarão sua saúde geral.
 Para que você seja considerado para um transplante, vários exames serão realizados.
 Os exames servirão para avaliar seu coração, pulmões e outras funções de seu corpo.

Como é feito o transplante de rim
O sangue do doador é testado para garantir que esteja livre de doenças que poderiam ser transmitidas em um transplante renal.
 O centro de transplantes também testará seu sangue para verificar se o rim doado é aceitável para você (compatível).
A cirurgia de transplante pode então ser realizada.
 Após a cirurgia você passará vários dias no hospital e várias semanas em casa em recuperação.
 Pode levar alguns dias e até algumas semanas até que seu novo rim comece a funcionar.
 Você deve continuar com a diálise até que seu novo rim comece a funcionar.
O novo rim será colocado próximo ao osso dos quadris.
 Seus vasos sanguíneos e ureter são conectados ao rim transplantado.
 Seus próprios rins em geral não são removidos.

cuidados de enfermagem:
 Pré-operatório
 Preparar o paciente para cirurgia, com informações a respeito da rotina da sala de cirurgia, administrar antibióticos para limpeza intestinal.
 Avaliar os fatores de risco para a tromboembolia (Fumo, uso de anticoncepcionais orais varizes nas extremidades inferiores) e aplicar meias elásticas, se prescrito. Rever os exercícios com a perna e fornecer informações a respeito das meias compressivas/seqüenciais que serão utilizadas no pós-operatório.
 Avaliar o estado pulmonar (presença de dispnéia, tosse produtiva, outros sintomas cardíacos relacionados) e ensinar os exercícios de respiração profunda, tosse eficaz e uso do espirômetro de incentivo.
 Se a embolização da artéria renal está sendo feita antes da cirurgia para pacientes com carcinoma de células renais, monitorar e tratar dos seguintes sintomas da síndrome pós-infarto, que pode durar até 3 dias:
- Dor no flanco.
- Febre.
- Leucocitose.
- Hipertensão.
cuidados de enfermagem:
Pós-operatório
 Monitorar os sinais vitais e a área da incisão quanto a indícios de sangramento ou hemorragia.
 Avaliar quanto a complicações pulmonares de atelectasia, pneumonia, pneumotórax. Manter os pulmões limpos e boa drenagem do tubo torácico, quando usado (a proximidade da cavidade toráxica com a região operada pode levar à necessidade de uma drenagem torácica pela colocação de um dreno no pós-operatório).
 Manter a permeabilidade dos tubos de drenagem urinária (nefrostomia, cateter suprapubiano ou uretral) e extensores uretrais, quando indicados.
 Monitorar as extremidades inferiores e o estado respiratório quanto a complicações trombólicas.
 Avaliar sons intestinais, distensão abdominal e dor que possa indicar íleo paralítico e necessidade de descompressão nasogástrica.
Para os pacientes de transplante renal, administrar medicamentos imunossupressores (corticosteróides, associados com azatioprina [imuran] ou agente semelhante), conforme prescrito, e monitorar os sinais precoces de rejeição- temperatura superior a 38.5ºC, débito urinário diminuído, aumento de peso de 1kg ou mais durante a noite, dor ou hipersensibilidade sobre o local do enxerto. Hipertensão, creatinina sérica aumentada.
Intervenções de enfermagem
Aliviando a dor.
Promovendo a eliminação urinária.
Evitando a infecção.
Mantendo o equilíbrio hídrico.
Bom pessoas,como vocês já sabem eu gosto sempre de ressaltar os cuidados de enfermagem,fiquem sempre atentos, todos não só quem e da área de saúde,mas sim todos de bom coração,afinal agente nunca sabe quando vamos precisar de cuidados.
Beijos enormes no coração até breve!
Tudo de bom!


Um comentário: