0

PUNÇÃO VENOSA

Ola amigos do blog,sempre que venho com algumas postagens venho sempre pensando em ajudar, e esta postagem podem ter certeza vai ajudar e muito esta bem resumido com uma ótima explicação, bom vamos ao que interessa vu ala!

VIA ENDOVENOSA

É a via onde se tem a mais rápida ação do fármaco administrado, porque há a introdução da medicação diretamente na veia.
-Os medicamentos injetados na veia devem ser soluções solúveis no sangue. Podem ser líquidos hiper, iso ou hipotônicos, sais orgânicos, eletrólitos, medicamentos não oleosos e não deve conter cristais visíveis em suspensão. -Deve-se preferir puncionar, inicialmente, membros superiores, evitando-se articulações. Sempre iniciar da parte mais distal para o proximal.
Indicações para instalação de um acesso venosos
Administração contínua ou intermitente de fluídos intravenosos, medicamentos, hemotransfusão ou quimioterapia.


Acesso a instrumentação cirúrgica intravascular: angiografia, angioplastia

Hemodiálise
Coleta de sangue

Ou seja, quando há necessidade de ação imediata do medicamento ou de injetar grandes volumes (hidratação) ou de substâncias irritantes aos tecidos.
Punção Venosa
Consiste na introdução de um cateter, de preferência de vinil ou poliuretano, através da pele até o endotélio venoso, seja ele de vasos periféricos ou profundos.
Tipos de cateteres vasculares
Cateter venoso (vascular) periférico
Cateter venoso (vascular) central

MATERIAL NECESSÁRIO PARA PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA COM INFUSÃO CONTÍNUA DE SOLUÇÕES


EPI (óculos, luva, máscara)
Bandeja contendo:
Toalha
Garrote
Cateter intra-vascular com calibre apropriado *
7 bolas de algodão ou gaze umedecidas com álcool à 70%
1 bola de algodão seca
Solução a ser infundida adaptada em equipo simples e extensor intermediário (quando infusão contínua)
Fita microporosa
Tesoura




Preenchendo o equipo...

Abra os invólucros dos equipos simples e extensor intermediário
Retire a tampa protetora do equipo simples e de uma das vias distais do extensor intermediário
Conecte esta porção no conector do extensor intermediário
Feche a pinça rolete
Faça a assepsia do orifício do frasco de soro e conecte a ponta perfurante neste local
Retire a tampa protetora da ponta perfurante
Preencha a câmara de gotejamento até a marcação
Abra a pinça rolete e permita que a solução preencha todo o equipo até a porção do paciente do extensor intermediário
Feche a pinça rolete e as pinças tipo clampe do extensor intermediário

PROCEDIMENTO

Realize assepsia da bandeja com 3 aplicações de  álcool à 70% e organize o material
Explique o procedimento a ser realizado, já com paramentação apropriada
Posicione o cliente confortavelmente
Corte, com o auxílio da tesoura, 3 pedaços pequenos e 1 grande, da fita microporosa e as mantenha adesivadas na borda da bandeja
Realize assepsia do garrote, friccionando gazes embebidas em álcool à 70% por três vezes,
Lave as mãos
Proteja com a toalha o local no qual ficará apoiado o segmento corporal que será puncionado
Visualize a área de escolha.
Coloque o garrote à cinco centímetros de distância do local de escolha, dando preferência  por áreas mais periféricas
Calce a luva de procedimento
Faça a antissepsia do local, friccionando o algodão umidecido com álcool à 70 % unidirecionalmente, de baixo para cima, três vezes.
Umideça os dedos indicador e médio com a bola de algodão com álcool à 70 % e palpe o segmento vascular a ser puncionado para identificar seu trajeto
Posicione o cáteter, com bisel voltado para cima e num ângulo de 45º penetre o dispositivo na pele. Diminua a angulação para 30º a medida que for penetrando no interior do endotélio.a
No refluxo sangüíneo, recue o mandril e avance com o cáteter.
Solte o garrote
Conecte o equipo ao cateter e abra as pinças do equipo e do extensor intermediário
Fixe com as fitas microporosas o catéter no óstio
Retire as luvas
Date e assine a fita microporosa
Despreze o material pérfuro-cortante no recipiente rígido de acondicionamento próprio para este material e o restante do material na lixeira
Encaminhe a bandeja para limpeza
Lave as mãos
Relate no prontuário

MATERIAL NECESSÁRIO PARA PUNÇÃO VENOSA PERIFÉRICA COM ACESSO SALINIZADO

EPI (óculos, luva, máscara)
Bandeja contendo:
Toalha
Garrote
Cateter intra-vascular com calibre apropriado *
7 bolas de algodão ou gaze umedecidas com álcool à 70%
1 bola de algodão seca
Equipo intermediário
1 seringa de 10ml com SF 0,9% para preenchimento dos extensor intermediário**
Fita microporosa
Tesoura

PROCEDIMENTO
...
Solte o garrote
Conecte o extensor intermediário
Fixe com as fitas microporosas o catéter no óstio
Retire a tampa protetora de um dos conectores ditais. Conecte a seringa sem a agulha e abra a pinça tipo clamp
Injete a solução salina
Recoloque a tampa protetora e feche a pinça tipo clamp
Retire as luvas
Date e assine a fita microporosa
Despreze o material pérfuro-cortante no recipiente rígido de acondicionamento próprio para este material e o restante do material na lixeira
Encaminhe a bandeja para limpeza
Lave as mãos
Relate no prontuário

Cuidados de enfermagem para a manutenção do acesso venosos

Dar preferência pelo lado não dominante do paciente
Iniciar a inspeção pelas periferias
Fixar o acesso adequadamente
Trocá-lo a cada 72 horas ou em caso da presença de sinais inflamatórios
Utilizar luva de procedimento durante a manipulação
Lavar a veia com 5 ml solução fisiológico antes a após cada utilização, quando não existe infusão contínua de fluídos
Observar sítio de fixação do cateter

Enfermageando



Enfermageando



Postagem entregue,boa noite e beijos no coração!









Nenhum comentário:

Postar um comentário